17/12/2018 às 11:55:38

Kuki não segura emoção em dia de homenagem.

Autor de dois gols em jogo festivo, ex-atacante foi o grande nome da reabertura do estádio.

Elton Castro


Passados oito anos, o ex-atacante Kuki, enfim, pôde voltar a sentir o calor da torcida do Náutico nos Aflitos. Longe dos gramados desde 2010, quando anunciou aposentadoria, o atual auxiliar-técnico foi o grande homenageado desde domingo, data que marcou a reabertura do estádio, que estava fechado para jogos desde maio de 2014. Aclamado pela torcida, o ídolo alvirrubro não conteve a emoção. Abraçado ao roupeiro Araponga, chorou copiosamente antes de agradecer aos torcedores.

Desde que chegou ao Náutico, Kuki acumula números que justificam a idolatria dos alvirrubros. Ao todo, são 387 jogos, com 184 gols - o que faz com que ele seja o terceiro maior artilheiro do clube - e três títulos. Números que, na avaliação do atacante, foram possíveis pela identificação com o Timbu.

- Aqui sempre foi a minha segunda casa. O Náutico foi o clube que mais me identifiquei e certamente isso fez com que a gente construísse uma história tão bonita. Agora sigo do outro lado do campo. O Náutico é minha casa - disse Kuki, autor de dois gols na vitória do time dele, por 3 a 2, na tarde desde domingo. Pelo time vencedor, também marcou gol Thiago Gentil, enquanto Geraldo e Acosta descontaram.

"Essa emoção é indescritível. Esse estádio traz parte da minha vida. Tinha que dar um abraço no Araponga, que é um dos nossos funcionários mais antigos e que sempre me ajudou muito aqui dentro. Não tem como descrever o que estou sentindo. São 17 anos da minha vida nesse clube e essa homenagem é algo que me deixa muito emocionado."

Abraçado por Kuki na entrada do campo, Araponga dimensionou a importância de Kuki para o clube e para a torcida alvirrubra.

- Kuki sempre foi um jogador especular. Ele tinha muita vontade de jogar pelo Náutico e gente ganhou muito com ele. É um amigo querido e que merece tudo de melhor.




Elton de Castro - Globo Esporte