08/04/2018 às 22:44:51

Goleiro Bruno foi decisivo para o título do Náutico



Paulo Paiva


Quase sempre é assim. Quando um clube inicia uma temporada com problemas financeiros e com poucos recursos, é preciso recorrer às categorias de base. E com o Náutico não foi diferente. Com uma folha salarial de pouco mais de R$ 200 mil, vários jovens formados no centro de treinamento do clube foram alçados ao elenco profissional. Prata da casa que valeu ouro tendo como símbolo maior um goleiro. Um paredão.

Ao todo, 14 atletas formados no Náutico foram utilizados na campanha do título. Alguns estreando como profissionais, como o zagueiro Richard, o lateral-esquerdo Kevy, o volante Christiano e William Gaúcho e o meia Filipinho. Porém, um deles foi além e se tornou, não só titular absoluto, mas um dos símbolos da conquista. No caso, o goleiro Bruno, de 24 anos, que voltou a ser destaque na decisão deste domingo contra o Central.

"Está todo mundo de parabéns", disse o goleiro ainda sob a emoção do título recém-conquistado. "Foi incrível passar por tudo que passei. A desconfiança... Muitos não acreditavam em mim. Agradeço em quem acreditou e o resultado está aí: campeão", gritou o alvirrubro.

Terceiro goleiro do clube até o ano passado, Bruno foi alçado a condição de reserva do também prata da casa Jefferson após a saída do experiente Tiago Cardoso ainda durante a campanha do rebaixamento à Série C. Porém, a estreia como profissional só veio na última rodada, com a queda já consumada, em uma derrota por 3 a 0 para a Luverdense.

ste ano, tudo levava a crer que Bruno teria que se contentar mais uma vez com a reserva. Mas o destino tinha outras linhas traçadas para ele. Após Jefferson sofrer uma grave lesão muscular no jogo contra o Cordino, pela primeira fase da Copa do Brasil, Bruno foi acionado e se transformou em um dos destaques da classificação. Não sairia mais do time. 

Nem mesmo após falhar na derrota para o Botafogo-PB na Copa do Nordeste ou mesmo após a recuperação de Jefferson e contratação de Luiz Carlos. A essa altura, Bruno já havia conquistado a confiança do técnico Roberto Fernandes e superado a desconfiança da torcida.

“Deus nos abençoou, e está dando tudo certo para nós. Tenho que agradecer a fase que estou vivendo. Nem nos meus melhores sonhos imaginava isso”, afirmou Bruno, que tinha apenas 11 anos no último título timbu. Agora, aos 24, foi determinante para uma nova volta olímpica timbu.

Pratas da casa utilizados na campanha do título

Goleiros
Bruno (10 jogos)
Jefferson (4 jogos)

Laterais
Kevyn (9 jogos)

Zagueiros
Rafael Ribeiro (6 jogos, 1 gol)
Samuel (3 jogos)
Richard (1 jogo)

Volantes
William Gaúcho (5 jogos, 2 gols)
Cal Rodrigues (3 jogos)
Christiano Xuxa (1 jogo)

Meias
Luiz Henrique (8 jogos)
Filipinho (1 jogo)

Atacantes
Tharcysio (8 jogos, 2 gols)
Odilávio (3 jogos, 2 gols)
Rogerinho (3 jogos)




João de Andrade Neto /Superesportes , Daniel Leal /Diario de Pernambuco