01/04/2018 às 21:26:31

Roberto Fernandes nega favoritismo contra o Central



Léo Lemos


Apesar de reconhecer o empate em 0 a 0, neste domingo, em Caruaru, como um bom resultado, o técnico Roberto Fernandes fez questão de rechaçar, até de forma veemente, um possível favoritismo do Náutico sobre o Central na busca pelo título do Campeonato Pernambucano. Na partida de volta, no próximo domingo, na Arena de Pernambuco, quem vencer ficará com a taça. Já um empate levará a decisão para os pênaltis. A vantagem alvirrubra é ter dessa vez o mando de campo, com mais de 30 mil ingressos já vendidos.

Para reforçar a tese de que não há favoritismo pelo lado do Náutico na final, o treinador alvirrubro recorreu às campanhas das duas equipes neste Estadual, onde estão empatadas em pontos desde a fase classificatória.

"O que o Náutico tem de vantagem é camisa, tradição e sobretudo o mando de campo na segunda partida. Mas a campanha do Central é de 26 pontos, igual a do Náutico. Com o mesmo número de vitórias (12), empates (5) e derrotas (apenas uma). As duas folhas salariais também são parecidas. Então não entendo onde se tira isso de que o Náutico é muito melhor que o Central. A única diferença é que eles têm a melhor defesa (oito gols sofridos) e nós o melhor ataque (21 gols marcados). De resto é tudo igual. Ou não tem jogadores do Central que não servem para o Náutico?", questionou Fernandes.

Mesmo assim, o treinador não deixou de comemorar o empate trazido de Caruaru. Porém, lembrou que em uma final os detalhes podem fazer a diferença. "Queríamos a vitória, mas ela não veio. Mas esse empate é importante já que agora teremos o apoio do nosso torcedor. Mas final é detalhe, até porque as duas equipes são muito equilibradas. Quem sabe uma bola parada ou um aproveitamento melhor de alguma vunerabilidade do adversário", pontuou o treinador timbu, que também evitou fazer maiores críticas ao gramado do Lacerdão.

"O gramado está no mesmo nível dos que jogamos contra o Pesqueira, o Belo Jardim e outros clubes. É obvio que não é igual ao gramado da Arena. Mas (o resultado) não foi por conta do gramado, que talvez facilite um pouco o modelo de jogo do Central. Assim como o da Arena facilita o nosso modelo de jogo", encerrou.


João de Andrade Neto /Superesportes