04/11/2017 às 22:56:44

Roberto Fernandes continua invicto contra o Santa.



Aldo Carneiro (Pernambuco Press)


Foi mais que a vitória em um clássico importante. O Náutico, pela primeira vez nesta Série B, fez três gols em uma só partida e virou o placar de um confronto. Além disso, foi a primeira vez que o técnico Roberto Fernandes bateu um rival como visitante. Ele analisou o confronto do Timbu contra o Santa Cruz, no Arruda, este sábado, como necessário para dar confiança extra para o restante do campeonato.

- Uma vitória em clássico dá uma confiança muito grande. Mas nós precisamos manter o pé no chão. A vitória foi importante porque nos dá a possibilidade de respirar, mas a situação é delicada. Eu deixo os atletas curtirem a vitória, mas estou com a cabeça no Paysandu.

Segundo o treinador, a situação do Náutico é a mesma de um paciente na UTI: cada dia vivo é para ser comemorado. E, depois de uma vitória que dá sobrevida ao Timbu - afinal, reduziu a distância para fora da zona do rebaixamento de dez pontos para oito -, vale o mesmo.

- Em um momento desse, terminamos uma série de dois jogos fora de casa com quatro pontos. Agora temos de buscar em casa. Falei para os atletas na oração que o suor dessa vitória não terminou. Ele segue na próxima terça-feira. Foi isso que nos restou. Fazendo uma comparação não muito agradável, mas é como um doente na UTI. Cada dia de vida é uma vitória. E a cada rodada com esperança de permanecer é uma vitória. Agora temos outra decisão, todos os jogos são assim.

 

Sobre as polêmicas de arbitragem que marcaram o final do jogo - o Santa Cruz reclamou do pênalti marcado sobre William e um não assinalado em Augusto -, Roberto Fernandes citou lances que prejudicaram o Náutico, na Série B.

- Não vi o lance na TV. Eu gosto de ver para ter mais certeza. Mas se William não foi tocado, deve ter uma pedra no gramado. Ele está com escoriações grandes na perna. E isso faz parte do jogo. No jogo passado, fizemos um gol legal e o árbitro anulou. Viemos com um empate de Caxias e poderíamos ter ganho. Se o erro acontece, faz parte. Se eu for falar quantos gols anulados aconteceram com a gente, quantos pênaltis que não marcaram...

Invicto contra o Santa Cruz

O treinador falou, ainda, sobre retrospecto contra o Santa Cruz: sem derrota. E não só como técnico do Náutico. Ele lembrou de outras vitórias sobre os corais, quando estava no América-RN (venceu por 1 a 0, na Arena de Pernambuco). Com o Londrina, em 2003, também bateu o Tricolor, por 3 a 1.

- Depois do jogo, gosto de falar disso. Chega a ser uma coisa bem interessante. Nunca trabalhei para o clássico contra o Santa com essa preocupação, mas a estatística é verdadeira. Acho que tenho um pouco de sorte quando pego o Santa e não só como treinador do Náutico. Lembro que a gente veio aqui com o América-RN e ganhamos na Arena, por 1 a 0. Mas não fico muito ligado nessa estatística porque deve ter algum time que nunca perdeu para mim.

 

 

Daniel Gomes - Globo Esporte